Compreendendo sua raiva

 

55bfe27bae7d11.1843659055bfe27b8fc961.77643235

A raiva é uma emoção que está relacionada à percepção de dano e prejuízo e à crença de que regras importantes para si mesmo foram violadas. Ficamos com raiva quando acreditamos que fomos tratados injustamente, magoados desnecessariamente ou impedidos de obter algo que esperávamos alcançar. Não é simplesmente a mágoa ou o prejuízo que nos causa raiva e sim a sensação de violação de nossas regras e expectativas. Quando estamos zangados nosso corpo se mobiliza para a defesa ou para o ataque, e nossos pensamentos, com frequência, estão cheios de planos de vingança ou se concentraram no quão “injustamente” fomos tratados.  

A emoção da raiva pode variar da irritação à fúria. O quanto ficamos enraivecidos em determinada situação é influenciado 100% pela interpretação e ao significado que damos do acontecimento. Por exemplo: se uma pessoa no ônibus pisa no nosso pé e acreditamos que foi intencional ou que não houve intenção de evitar pisar, provavelmente teremos raiva. Agora, se acreditarmos que a pessoa não teve a intenção e que foi um acidente, provavelmente não teremos a mesma emoção, ainda que a dor em ambas as situações fosse a mesma. A probabilidade de sentirmos raiva em resposta a um dano não intencional está relacionada a seu julgamento quanto ao “bom senso”. 

Importante entender que, os tipos de eventos que provocam a nossa raiva estão geralmente relacionados ao nosso passado, bem como às regras e crenças que defendemos. Provavelmente ao longo de nossa vida e de nossa história, aprendemos que é adaptativo estarmos em alerta e precavidos contra abusos ou injustiças por parte das outras pessoas. 

Por fim, quanto mais íntima for a nossa relação com alguém, mais provavelmente temos expectativas em relação à pessoa e, por consequência, maiores podem ser os nossos sentimentos de raiva para com ela. Para complicar a situação, raramente conseguimos contar de forma clara às pessoas íntimas nossas expectativas. Isso porque nem sempre estamos cientes dessas nossas expectativas até elas serem quebradas. Então, uma vez quebradas, ficamos magoados, desapontados e, com frequência, com raiva. 

Você já analisou quais são as situações onde você sente raiva com maior frequência? Você normalmente toma como verdade absoluta o que você pensa com base no fato de ter sentido raiva da situação? Há outra forma de pensar sobre o que aconteceu? Reflita! 

FONTE: Livro A Mente Vencendo o Humor – C. Padesky